Começa a debandada de DEM e PSDB rumo a Bolsonaro. Partidos menores já abandonaram Geraldo Alckmin. E os especuladores fazem a parte deles: alta da bolsa e queda do dólar.

haddad 01

PT achou que seria fácil vencer o capitão no segundo turno. Imagem TVT.

                                    Já começou o toma-lá-dá-cá dos políticos com Jair Bolsonaro. Geraldo Alckmin está sendo traído pelos aliados em busca de cargos e privilégios no novo governo. PSDB e DEM, os maiores partidos da coligação tucana, estão rachados e podem até se dividir formalmente. É a velha porcaria de sempre. O capitão diz que em seu governo não haverá leilão de cargos, mas, nos bastidores, arregimenta o maior número de apoiadores que pode conseguir. A que preço? A tropa até acredita em vitória no primeiro turno, algo bem difícil.

                                   É claro que o jogo não acabou. Mas a chance de Bolsonaro ganhar aumenta a cada dia. Agora o PT luta para manter o nariz acima de 20% nas intenções de voto e assegurar participação no segundo turno. E o segundo tempo será ainda pior para os petistas, já que podem esperar o “efeito manada” rumo a Bolsonaro. Agora os assessores de Haddad, como publicou Helena Chagas, querem mudar a estratégia: atacar o capitão fortemente, algo que não fizeram antes. O PT achava que Bolsonaro era problema para Alckmin – e que seu eleitorado não seria afetado por ser fiel. Nos bons tempos, a base eleitoral petista era de 34%; hoje gira em torno dos 20%. Desastre à vista!

                                   A candidatura de Jair Bolsonaro, apesar de não ter programa claramente definido, tem consistência política em razão da massa de eleitores que está arrebanhando. Isso não pode ser negado. Além do mais, o candidato do PSL, partido minúsculo até então, rompeu mitos eleitorais consolidados nas últimas três décadas. Os mais importantes eram: eleição se ganha na TV – e a vitória é obra de marqueteiros. O capitão tem apenas 8 segundos de tempo no horário eleitoral e o marketing dele é apenas vociferar. No segundo turno, passa a ter 10 minutos na TV e no rádio.

                                   Como dizia Claude Levi Strauss, tristes trópicos!

Anúncios
Esse post foi publicado em Politica e sociedade. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Começa a debandada de DEM e PSDB rumo a Bolsonaro. Partidos menores já abandonaram Geraldo Alckmin. E os especuladores fazem a parte deles: alta da bolsa e queda do dólar.

  1. José Antonio Severo disse:

    Adesão da Frente Ruralista pode ser estouro da boiada
    José Antonio Severo
    As abóboras no fundo da carroça ainda estão se mexendo. A adesão formal da Frente Parlamentar da Agropecuária ao candidato Jair Bolsonaro na tarde de terça-feira representa o primeiro passo para uma debandada geral das candidaturas anti-PT, procurando-se liquidar a fartura ainda no primeiro turno. As chamadas forças conservadoras querem decidir a eleição já no dia sete de outubro, eliminando o risco de reviravolta.
    A pergunta que se faz é se os fazendeiros, abrindo a porteira, não desencadeiam o estouro da boiada, pondo os demais aliados do PSDB (e de outras candidaturas do segmento conservador) a fugir em debandada para os campos do capitão?
    A frente ruralista tomou uma posição oficial. Sua presidente, deputada Tereza Cristina (DEM/MS), teve de interromper suas andanças de campanha de reeleição numa hora crítica para ir ao Rio de Janeiro tirar a foto ao lado de Bolsonaro e não deixar dúvidas. Pularam para dentro do barco ainda no meio da correnteza. É mais próprio do que aderir depois.
    Uma análise detalhada das previsões de segundo turno revela que Fernando Haddad continua sendo uma ameaça real no segundo turno. Embora o fim da transferência automática de Lula para seu candidato tenha acabado, estagnando o crescimento, Fernando Haddad continua em segundo lugar e vai para a partida final. É um perigo: Tancredo Neves não se cansava de repetir o clássico ditado: “cabeça de juiz, barriga de mulher e eleição, só depois da apuração”. Modernamente, com o exame de sexagem fetal do ultrassom, trocaram a mulher por mineração, mas a incerteza continua a mesma.
    Melhor não correr risco, estão dizendo as temerosas lideranças anti-petistas. Assim, numa votação eletrônica entre os 235 parlamentares integrantes da Frente Ruralista, foi vencedora a proposta de adesão imediata a Jair Bolsonaro. Alguns deputados muito comprometidos com outras candidaturas e amarrados a acordos regionais não devem alardear imediatamente o novo posicionamento, mas estão firmes com a decisão da maioria.
    Esse movimento da frente ruralista levou pânico às demais candidaturas anti-petistas e dos partidos das coligações, que contam com os resultados do primeiro turno para marcar posições e se esforçam para expor alguma musculatura para negociar o apoio formal para o jogo decisivo. Para essas forças, a vitória de Bolsonaro no primeiro turno não interessa.
    Para os grandes partidos do campo anti-petista a melhor situação é deixar para negociar apoio já na reta final, ou, no máximo, na formação do governo, quando o presidente eleito precisar arregimentar forças para criar sua governabilidade. Esse é o momento certo para os partidos com bancadas significativas. Já os pequenos, o baixo clero, querem se sentar o quanto antes num bom lugar na primeira fila.
    Nessa hora da verdade as diatribes de campanha perdem sentido. Os desaforos e bravatas da luta deixa o campo eleitoral e passa para as amenidades do espaço político, onde o Poder Legislativo emerge com toda sua complexidade.
    Uma coisa é chegar com o rabo entre as pernas como cachorro vira-lata pedindo uma sobra; outra é sentar à mesa como dono de uma força real. Isto, no entanto, não comoveu aos ruralistas, que preferiram se antecipar dizendo a Bolsonaro que correm perigo a seu lado, ainda antes do fim do primeiro tempo. Tereza Cristina, cumprindo uma decisão da maioria, assinou essa promissória, para o que der e vier. E o que virá? Jogo jogado.

    Curtir

  2. Amanda Fernandes disse:

    Carlos Amorim, tudo bem?
    Deixa eu te falar uma coisa, estou apaixonada pela sua escrita. Ok, tô no segundo capítulo de Araguaia, leitura louca que faço dentro dos 3 ônibus que pego até chegar no trabalho, as vozes da mulherada comentando o preço da passagem, a casa da patroa ou coisas do tipo, passam bem despercebidas por mim, tô imersa até o último fio de cabelo nesse livro. Sua forma de escrever envolve, você explica, compara com outras situações e não deixa o leitor na mão. Já sinto ressaca literária. Valeu por cada palavra. Você é fera.

    Amanda Fernandes

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s