O “predador urbano”, o bandido mais difícil de apanhar. Comete dezenas de crimes sem motivo. Não tem nenhum tipo de relacionamento anterior com as vítimas. Apenas mata. A polícia prende em Goiânia mais um “serial killer” brasileiro.

O "serial killer" brasileiro apresentado à imprensa;

O “serial killer” brasileiro apresentado à imprensa;

O nome dele é Thiago Gomes da Rocha. Tem  26 anos. É bem apessoado, fala com desenvoltura, revelando escolaridade. Trabalhava como vigilante em uma empresa de segurança em Goiânia, a capital no estado de Goiás. Foi capturado por uma força tarefe envolvendo a polícia civil, grupos de elite, psiquiatras forenses e psicólogos. A cidade estava vivendo com medo, após uma onda de assassinatos de mulheres, travestis e moradores de rua. Foram dezenas de crimes, aparentemente sem motivo algum.

Segundo a polícia goiana, Thiago confessou 39 homicídios, mas não se lembra de todos que matou. As autoridades acreditam que ele pode ter executado 50 pessoas. Saia pela noite, montado em uma motocicleta preta, usando jaqueta e capacete, para não ser reconhecido. Escolhia suas vítimas ao acaso, enquanto dirigia pelas ruas. Esse tipo de “predador urbano” é o criminoso mais difícil de capturar. Os ataques são aleatórios, não conhece as vítimas, não tem motivos. Isto torna a investigação extremamente complicada, porque não há pistas fora da cena dos crimes.

Países como Estados Unidos, Reino Unido, França e Alemanha desenvolveram sofisticados mecanismos  para identificar um “serial killer”. O FBI criou há muitos anos um departamento de ciências do comportamento só para estudar esses assassinos em série. A principal ferramenta é traçar um perfil psicológico do criminoso, a partir dos métodos empregados, do tipo específico de brutalidade cometida e da “assinatura” deixada pelo predador. Esse nosso assassino tinha como assinatura: a forma de se vestir, a moto e o fato de usar a mesma arma em todos os crimes, um revólver calibre 38.

Retrato falado do criminoso, feito pela polícia.

Retrato falado do criminoso, feito pela polícia.

Os estudiosos desses matadores reúnem várias conclusões importantes a respeito do comportamento deles. São portadores de psicopatia aguda, um desvio mental e psicológico que os impede de ter emoções, piedade ou arrependimento. Algumas vezes, isso está associado a problemas neurológicos, mas não necessariamente. Têm um histórico de abusos na infância e na adolescência. Thiago disse aos investigadores que foi submetido a violência sexual por parte de um vizinho, durante um mês, quando era criança. Relatou “bullyng” na escola, perseguições por parte de colegas. O psicopata criminal (é bom dizer que nem todo psicopata é criminoso), se sente diferente de todo o resto do mundo e das pessoas. Ele não consegue se encontrar em nenhum lugar, a não ser no seu próprio isolamento.

No entanto, ele se considera melhor e acima dos outros. Tem uma sensação de superioridade. Alguns têm delírios religiosos, como se estivessem cumprindo uma missão divina. Isso, de certa forma, explica outro comportamento padrão do “serial killer”: ele quer ser apanhado para assumir seus crimes e ser reconhecido por isso. Deseja fortemente que o mundo saiba quem ele é. Nosso psicopata de Goiânia deu entrevista ao Jornal Nacional e à Globonews. Esta foi a sua realização. Quando perguntaram por que matava, respondeu de forma singela: “não sei, dá uma raiva e eu agrido verbal e fisicamente”. Parecia o “Homem de Gelo”, Richard Kubliski, assassino profissional da Máfia em Nova Iorque, acusado de 236 homicídios e que, na infância, matou todos os gatos e cachorros do bairro onde morava.

Perguntado se era um “serial killer”, Thiago respondeu com ar enfadonho e modesto: “não sei se posso afirmar isso”. Em seus olhos, vi a real afirmação: “é isso mesmo que eu sou!”.

Anúncios
Esse post foi publicado em Politica e sociedade. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s