Donald John Trump foi eleito. Alguma surpresa? O republicano rebelde traduziu o sentimento da imensa classe média branca americana. É bilionário, cercado de mulheres, carros de luxo e dono de hotéis e cassinos. O sonho americano.

trump-01

Trump, descabelado. O ícone da classe média branca dos EUA.

 

                                   Quem se espantou com a vitória esmagadora de Donald Trump nas eleições americanos devia dar uma olhada mais de perto na história da sociedade humana instalada nos Estados Unidos. Descoberta por Cristóvão Colombo, em 1492, a América se tornou colônia britânica tempos depois. Mas era frequentemente invadida por franceses e holandeses, como aconteceu também no Brasil de então. No século 18, os colonos americanos se rebelaram contra os impostos e a repressão praticada pela Coroa Inglesa, como também ocorreu em terras brasilis, contra a metrópole portuguesa.

                                   Em 1776, os americanos proclamaram uma Carta de Independência, em meio a combates sangrentos contra a matriz inglesa. Foi um ato revolucionário: afirmava que todos os homens nasciam iguais sob Deus e tinham direito a conquistar a felicidade. Foi tão importante para o contexto da época, que exerceu enorme influência sobre a grande revolução francesa de 1789, que culminou com a derrubada da monarquia. No entanto, George Washington, comandante da revolução americana, era um senhor de escravos. Tinha 150 negros escravizados cuidando dos assuntos domésticos na casa dele, além de centenas de outros nas plantações. A igualdade, sob Deus, não tinha nada a ver com africanos cativos. Naqueles tempos, ainda se discutia se os negros tinham alma.

                                   Um século mais tarde, após a independência, a contradição entre felicidade e escravidão levou à pior guerra em que os Estados Unidos estiveram envolvidos, causando mais baixas fatais (cerca de 750 mil) do que em todas as outras em que armas norte-americanas foram levadas ao campo de batalhas. Na verdade, a Guerra da Sesseção não foi para libertar escravos. Foi um confronto para impor o norte industrializado contra o sul feudal e escravocrata. Era a revolução burguesa em terras do Tio Sam. E foi vencida pelos Estados Unidos da América, à custa do maior morticínio de que se tem notícia nas plagas descobertas por Colombo.

                                   Apesar de tudo isso, os princípios da Carta de Independência de 1776 não conseguiram se impor no grande país do norte das Américas. De certa forma, a grande maioria branca continuou a suplantar as minorias, mesmo em um país moderno, que os imigrantes ajudaram a construir. Até 1963, negros eram linchados e enforcados em praça pública, diante das famílias brancas, que levavam as crianças para assistir. Na quadra dramática dos anos 1960, mataram a tiros John Kennedy, Robert Kennedy, Martim Luther King, Malcon X e mais um monte de gente. Dos 45 presidentes eleitos até agora, incluindo Trump, 10 sofreram atentados a bala – e 4 foram assassinados, incluindo Lincoln, aquele da libertação dos escravos, e John Kennedy, que iniciou a guerra do Vietnã.

                                   Portanto, achar que a eleição de Trump é uma surpresa é pura bobagem. A grande classe média branca americana, conservadora, protestante e racista, é quem detém o poder. A eleição de Barak Obama, o primeiro negro a presidir os Estados Unidos, pode ser considerada uma exceção que justifica a regra. Hillary Clinton, que seria a primeira mulher na Casa Branca, pode esquece. A imensa onda conservadora que varre o planeta acaba de se instalar no número 1.600 da Avenida Pensilvânia, em Washington. A Case Branca.          

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Politica e sociedade. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s