Exército pretendia “operação de casa em casa” em áreas críticas controladas pelo tráfico no Rio. Mas o governo Temer desistiu do chamado mandado de busca e apreensão coletivo sobre bairros inteiros e partes da cidade. Era uma violência contra a Constituição.

rocinha 01

Forças Armadas na Rocinha. Imagem Agência Brasil.

                                    O plano era cercar os pontos críticos de atuação do narcotráfico no Rio de Janeiro. Com um mandado de busca e apreensão coletivo, uma ilegalidade defendida pela Advocacia Geral da União (AGU), que presta serviços à Presidência, os militares iriam entrar de casa em casa. Populações inteiras ficariam de mãos na cabeça, em uma flagrante violação dos direitos individuais. Pior: a medida estabeleceria um apartheid social na Cidade Maravilhosa. As operações de “cerco e destruição”, como são citadas nos manuais da guerra urbana, cairiam sobre os pobres e as comunidades abandonadas pelo Estado há quase um século. Não há como imaginar tal ação em Copacabana ou nos condomínios abastados da Barra da Tijuca.

                                   Isto quer dizer: pobre é sinônimo de violência e banditismo.

                                   Por outro lado, a desistência em relação ao mandado coletivo, que seria derrubado nos tribunais, praticamente inviabiliza a operação militar em larga escala contra traficantes e facções criminosas. Fica tudo como era antes. E os fracassos na favela da Maré e no Complexo do Alemão são fartamente conhecidos. Sem falar no desastre das UPPs, que este autor antecipou há sete anos, aqui no site, enquanto a mídia nacional louvava o fim do poder do tráfico.   

                                   Parece mesmo que a decretação da intervenção federal no Rio foi um mero gesto publicitário, destinado a desviar a opinião pública do naufrágio do governo de Michel Temer. O presidente não governa sequer a própria base de apoio no Congresso. E o Congresso aprovou a toque de caixa uma intervenção militar inócua, cujo resultado será pífio. Ou -mais provavelmente- nenhum. Vai entrar para a história como mais um fracasso retumbante.   

 

                                    

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Politica e sociedade. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Exército pretendia “operação de casa em casa” em áreas críticas controladas pelo tráfico no Rio. Mas o governo Temer desistiu do chamado mandado de busca e apreensão coletivo sobre bairros inteiros e partes da cidade. Era uma violência contra a Constituição.

  1. Annelise Godoy disse:

    Muito bom! Realmente estamos subordinados a completos idiotas, que pensam que somos nós os idiotas. E quanto se gastou com tudo isto até agora? Vamos mesmo tirar recursos da Previdência, afinal, é lá que está o problema.

    Bjs, Anne

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s