Ceará em chamas: quatro facções criminosas, ligadas ao CV e ao PCC, lideram a onda de violência no estado. Desde o início do ano, foram 204 atentados a bala, incêndios e ataques com explosivos. Tentaram destruir pontes e viadutos. Fortaleza está paralisada pela violência das quadrilhas. É a reação do crime organizado contra o discurso do governo Bolsonaro.

ceara em chamas
A violência desencadeada em 46 cidades do Ceará, com mais de 200 atentados, ônibus incendiados e ataques a instituições governamentais, é uma resposta das facções criminosas contra o discurso radical bolsonarista. Já ocorreram 358 prisões no estado, entre as quais 110 de menores. Pela primeira vez, os criminosos utilizaram dinamite roubada para tentar demolir vias públicas. O campo de batalha, que envolve tropas federais, dá a impressão de uma guerra civil.
O discurso bolsonarista de que bandido bom é bandido morto, que vem dos anos 1970, estimula a reação do mundo do crime. As facções cearenses, como os “Guardiães do Estado” (GDE), a “Família do Norte” (FDN), o “Comando Vermelho Nordeste” (CVN) e o próprio PCC, arreganham as unhas contra o estado que promete medidas autoritárias. Controle das cadeias. Confisco dos celulares. Isto parece dar início a uma reação em cadeia. Que deve se espalhar pelo resto do país.
Quando as medidas chegarem aos grandes centros, haverá uma rebelião em larga escala.
Quem viver, verá!

Anúncios
Esse post foi publicado em Politica e sociedade. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s