Lava Jato atropela Michel Temer e ameaça derrubar o governo. O presidente foi flagrado apoiando pagamentos em troca do silêncio de Eduardo Cunha. Mas este não é o crime maior de Temer: a PGR diz que ele indicou um interlocutor para extorquir o dono da Friboi em 480 milhões de reais. A propina seria paga em 20 anos: 2 milhões de reais por mês.

carne fraca 02

Temer diz que não renuncia. Mas Gedel caiu. As mesmas acusações. Foto Agência Brasil.

 

                                   O escândalo da delação do empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS, a segunda maior empresa do país em faturamento (170 bilhões de reais/ano), parece ser a pá de cal no governo Temer. Pela primeira vez na história, um mandatário da Republica é apanhado em flagrante delito. Temer recebeu, em março, no Palácio do Jaburu, residência oficial do governo (ele e Marcela não gostaram do Alvorada), um tubarão do ramo de processamento de carnes. Joesley chegou lá tarde da noite – e travou com o presidente um diálogo de meia hora, como se fossem amigos. Ao longo da conversa, toda gravada, percebe-se que era uma intimidade cúmplice.

                                   O empresário, conhecido como “o açougueiro”, disse que estava pagando todo mês a Eduardo Cunha e a Lúcio Funaro, dois prisioneiros da Lava Jato, em troca de silêncio. Temer disse que isso precisava continuar. Depois Joesley contou que tinha problemas com o CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e com a CVM (Comissão de Valores Mobiliários). São agências federais destinadas a regular boa parte da economia do país. Temer indicou um deputado federal de sua confiança para tratar do tema. O nome dele é Rodrigo da Rocha Loures (PMDB-PR), investigado na Lava Jato. Na delação premiada, o dono da Friboi afirmou: deste encontro, indicado por Temer, resultou um acordo para o pagamento de 480 milhões de reais em propinas, a um custo de 2 milhões de reais por mês para o grande açougue de batista, durante 20 anos. Desde que os problemas com o CADE e a CVM pudessem ser resolvidos.

                                   Esta é a principal acusação contra Michel Temer. O problema de Funaro e Eduardo Cunha é fichinha. Curioso: a grande mídia evitou cautelosamente explorar a matéria. Talvez porque as empresas públicas, como a Petrobras, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica sejam os maiores anunciantes do setor. Só que tal acusação da PGR é a mais grave contra Michel Temer, que fez pronunciamento em tom agressivo dizendo que não iria renunciar. A abertura de processo criminal contra o presidente, aprovada pelo STF, considera os crimes de corrupção, obstrução da justiça e organização criminosa. Mas a mídia se concentra no caso de Eduardo Cunha, a menor das acusações. Por que?

                                    Além do mais, a Lava Jato também deu um tiro no peito de Aécio Neves. Derrotado por Dilma Rousseff em 2014, por apenas 3,27% dos votos válido, Aécio era o ícone das elites e da classe média. Bom moço, bonitinho, neto de Tancredo Neves, também ele foi destroçado pela Lava Jato. A delação do dono da Friboi, gravada, revela um Aécio pedindo dinheiro para se defender das acusações: a bagatela de 2 milhões de reais. E revela uma conversa chula, recheada de palavrões. Parece um bandido vulgar. Para receber os 2 milhões, disse que precisava de um mensageiro confiável, “alguém que a gente mata antes de delatar”.

                                   Aécio indicou seu próprio primo, Fred, que acabou em cana ao ser filmado recebendo quatro mochilas de 500 mil reais. E a Polícia Federal também prendeu a irmã de Aécio, Andrea Neves, que negociou com Joesley Batista uma propina de 40 milhões de reais para comprar um apartamento para a mãe no Rio de Janeiro. Qual a moeda de troca: a indicação de um diretor para a Vale do Rio Doce.     

                                   Aécio teria dito que poderia garantir a indicação. E o resto é bobagem!  

      

 

 

Publicado em Politica e sociedade | 1 Comentário

Sérgio Moro vai condenar Lula a dura pena de prisão no processo do triplex. Deve acontecer até o final de julho. O xerife da Lava Jato assumiu de vez o pa-pel de juiz e acusador ao mesmo tempo.

sergio oro 01

Juiz e acusador ao mesmo tempo.

 

                                   A animosidade entre Moro e Lula, que pudemos ver nos vídeos do depoimento em Curitiba, é um péssimo exemplo para a justiça em nosso país. O juiz, em vez de ouvir o questionamento do Ministério Público e dos advogados, chamou para si a responsabilidade da acusação. Tornou-se magistrado e acusador ao mesmo tempo, ferindo os princípios de impessoalidade na magistratura. Fez perguntas sobre temas que não estavam afeitos ao processo, como relativas ao “mensalão”, já julgado pela Suprema Corte, e ao famoso sítio de Atibaia. Havia uma raiva contida pela ironia nas palavras de Moro.

                                   Lula, por sua vez, também demonstrava grande irritação. Muitas das suas respostas foram ásperas e provocativas. Quando o juiz apresentou documentos sem assinatura e papéis cuja origem era desconhecida, o tom da ópera bufa subiu uma nota. Moro chegou a mostrar um contrato de Marisa Letícia, relativo à reserva de compra de um apartamento no prédio do Guarujá, onde havia uma rasura feita à mão. Pela troca dos números, um apartamento simples virava um triplex. Afirmou que a rasura havia sido periciada pela PF, mas o laudo não concluiu de quem era aquela letra. Ou seja: qualquer um poderia ter feito aquilo. Foi o que Lula perguntou: quem rasurou? Não havia uma resposta.

                                   As provas na ação penal que trata do triplex são de uma pobreza impressionante. Tudo está baseado em delações premiadas e em papéis sem assinatura. Há também um email que diz que a ”dama” aprovou a reforma no imóvel e no sítio, incluindo uma cozinha de 140 mil reais. Moro insinuou que a tal “dama” seria Marisa Letícia. Seria mesmo? A inconsistência é de doer. Não estou discutindo aqui se Lula é ou não corrupto. Apenas levanto a questão da pobreza da ação penal.

                        Pelos recortes do depoimento que vimos na grande mídia, concentrados no embate entre réu e juiz, fica-se com a sensação de que Lula recebeu mesmo os tais 3 milhões de reais da empreiteira OAS, disfarçados no imóvel e nas reformas. Mas, do ponto de vista da materialidade dos crimes de corrupção, ocultação de bens e lavagem de dinheiro, o caso é bem fraquinho. Especialmente porque a venda do apartamento não se consumou. Isto, porém, não deve impedir a condenação do ex-presidente. E a cana vai ser dura, talvez uns 15 anos só na ação do triplex.    

                                   O juiz federal parece convencido de que Lula é realmente um criminoso. Só que isso não basta. Tem que provar. Além do mais, boa parte da opinião pública, bombardeada pela mídia, também acha que ele é um ladrão vulgar. A Lava Jato é uma unanimidade nacional. Ou seja: tudo indica a condenação do ex-presidente na primeira instância. E rapidamente, talvez até o fim de julho. Se a sentença for confirmada em segunda instância até junho do ano que vem, Lula não poderá ser candidato, mesmo liderando as pesquisas. Ou por causa disso. Seria uma festa para o setor conservador que está no poder.

                                   No entanto, é preciso não esquecer que Justiça não é vingança e que o Direito está acima do dever.       

Publicado em Politica e sociedade | Deixe um comentário

Lula e Moro cara a cara: não o aconteceu nada demais, nenhuma prova arrasa-dora contra o ex-presidente acusado de corrupção. Em depoimento de 5 horas, Lula respondeu a todas as perguntas. E não saiu preso, como muitos esperavam.

lula 01 

                                   Sob enorme aparato policial, Lula compareceu à audiência com o xerife da Lava Jato, o juiz Sérgio Moro. Não houve nada surpreendente. Os acusadores fizeram dezenas de perguntas. O ex-presidente respondeu a todas elas, contrariando as expectativas. Muita gente achava que Lula se recusaria a responder às acusações, o que seria entendido como uma forma antecipada de condenação. Não foi o que houve. Outros achavam que o metalúrgico nordestino fundador do PT seria confrontado com provas arrasadoras. Mas também não aconteceu. O interrogatório foi burocrático e frágil. Durou 5 horas, mas não acrescentou quase nada ao inquérito que imputa a ele uma propina de 3,7 milhões de reais, supostamente relacionada à compra e à reforma do triplex no Guarujá e à guarda de objetos relativos aos 8 anos do governo de Lula.

                                   Pensando bem, apesar do clima de ocupação policial-militar da cidade de Curitiba, não teve nada demais. Comedido e educado, Sérgio Moro jamais passou da elegância: tratava Lula como “senhor ex-presidente”. E não mostrou nada impressionante. Nem ele, nem os procuradores federais. Do lado de fora do prédio da Justiça Federal, havia apenas um desfile de tropas. Nenhum incidente. Nada a registrar. Quem imaginava, loucamente, que Lula seria preso, enganou-se redondamente. O processo é pobre do ponto de vista jurídico e apenas inflado pela sanha acusadora. Não havia como justificar uma prisão que a parcela antipetista aguardava. Moro sabe disso. A carreira dele está em jogo nesse momento. Se ultrapassar a linha vermelha em um milímetro, será atropelado pelos tribunais superiores. Como afirma o ditado popular: quem tem… tem medo!

                                   A ideia de Lula de transformar o interrogatório em ato político, em palanque, foi frustrada pelo fato de que não havia transmissão ao vido do interrogatório. E depois, ao deixar o tribunal e se dirigir à praça pública, outra frustração: as redes nacionais de televisão ignoraram o comício organizado no centro da capital paranaense, que tinha até a participação de Dilma Rousseff. Passou em branco. Os organizadores do ato público (CUT, MST, PT, PCdoB e outros) disseram ter reunido 50 mil manifestantes. A PM afirmou que foram apenas 5 mil. Na média das divergências, deve ter tido uns 10 mil. Mas o fato é que a Lava Jato, ao menos no caso do triplex, tem quase nada a oferecer contra Lula.

                                   Nos bastidores, comenta-se que Lula será condenado em primeira instância, nas mãos de Moro. Mesmo com pouca sustentação legal. Outros acham que o xerife vai olhar para o futuro e absolver Lula por falta de provas. Condenado este ano, o fundador do PT tem até junho do ano que vem para escapar de uma condenação em segunda instância. A partir daí, será oficialmente candidato à presidência em 2018. Tirá-lo da campanha, estando em primeiro lugar nas pesquisas eleitorais, será muito mais difícil. Se sobreviver, pode ganhar.

          

Publicado em Politica e sociedade | Deixe um comentário

Confronto armado entre facções criminosas leva caos à zona norte do Rio: 10 veículos incendiados, três policiais feridos, 42 presos, arsenal de guerra apreendido pelo Bope. É a guerra civil na Cidade Maravilhosa.

rebeliao-de-presos-02

Dez veículos incendiados o Rio. Foto Agência Brasil.

                                               No início da madrugada desta terça-feira (2 mai), dezenas de homens do Comando Vermelho (CV), portando o que há de melhor em matéria de armamentos de guerra, invadiram a comunidade da Cidade Alta, no complexo de favelas da Penha, zona norte do Rio. Os combates contra as facções rivais (ADA e Terceiro Comando Puro, o 3CP), que dominam o tráfico naquela área, começaram por volta de duas da manhã. A população local foi acordada com intenso tiroteio e explosões de granadas. Durou até o amanhecer, quando a chamada força pública interveio no conflito. É bom explicar: a polícia, mesmo o Bope, não entra no labirinto de ruelas com a escuridão da noite.

                                   Por volta das 10 horas da manhã, grupos ligados ao narcotráfico incendiavam 8 ônibus e dois caminhões nas vias expressas que passam na região, como a Avenida Brasil, a Dutra e a rodovia Washington Luís. Moradores bloqueavam pistas com barricadas de fogo e atacavam motoristas. Vários caminhões transportando carne e produtos eletrônicos foram saqueados pela multidão, sob as barbas de um polícia impotente, que não desejava iniciar conflitos ainda mais graves. Enquanto isso, o Bope cercava parte da força de ataque do CV: 42 prisões, 32 fuzis apreendidos, além de 10 granadas e duas pistolas automáticas. Os canais de notícias da TV transmitiam ao vivo. Essa é a guerra civil não declarada que ninguém quer admitir.

                                   O Rio de Janeiro é um estado saqueado pelo próprio poder público, onde o ex-governador Sergio Cabral é acusado de comandar uma organização criminosa destinada a roubar o dinheiro público. Funcionários públicos não são pagos, incluindo as polícias. Mas a primeira-dama compra milhões de reais em joias e esconde dinheiro no exterior. Um enfrentamento armado nas ruas, com o desta terça-feira, é coisa pequena diante da roubalheira oficial. Mas é também o reconhecimento do estado de beligerância que está instalado em nossa sociedade, onde ocorrem 60 mil assassinatos por ano, a maior parte dos quais execuções sumárias por armas de fogo.

                                   É mais grave do que as guerras do Vietnã, do Líbano e da Síria. Mas, se der praia no sábado, a orla do Rio vai reunir 2 milhões de pessoas felizes com o sol e a caipirinha. Este é o país que temos para viver!        

Publicado em Politica e sociedade | Deixe um comentário

Dia nacional de protesto contra Temer atinge 186 das maiores cidades do país, inclusive todas as capitais e o Distrito Federal. Houve violência em vários pon-tos, como em Santos e São Paulo. O centro do Rio virou um campo de batalha: incêndios, saques, depredações.

greve geral 03

Enfrentamentos entre manifestantes e a polícia. Foto Agência Brasil.

                                    Se Michel Temer, Romero Jucá e Henrique Meirelles achavam que tudo passaria em branco, se enganaram. Grandes protestos sacudiram o país nesta sexta-feira (28 abril). O Brasil viveu um dia de 1968. Marchas, confrontos com as tropas de choque, incêndios, depredações e muita violência em algumas das 186 cidades que aderiram ao protesto. Milhões de brasileiros ficaram sem transportes e sem serviços essenciais. A convocação de greve geral, patrocinada pela Frente Brasil Popular e pelo Movimento Povo Sem Medo, com apoio de todas as centrais sindicais do país (algumas inimigas históricas), resultou não exatamente numa greve, mas em um enorme protesto contra o governo.

                                   Em Santos, nas bordas do maior porto brasileiro, estivadores e funcionários entraram em greve. A fila de caminhões de grãos para exportação parou. Toneladas de soja foram jogadas na pista. E a cavalaria da PM paulista avançou contra grevistas desarmados. Durante o amanhecer desta sexta-feira, houve confrontos entre grevistas e a tropa de choque na capital do estado mais rico do país, que resultaram, à tarde, numa grande manifestação no centro da cidade. Depois os manifestantes marcharam até a casa de Michel Temer, no bairro de Pinheiros, um dos metros quadrados mais caros do país. Na cidade do presidente, metrô, trens e ônibus pararam, além de muitos bancos e comércio fechados. Grandes avenidas ficaram vazias.

                                   No Rio de Janeiro, onde a greve geral não colou (quase tudo funcionou normalmente), a coisa foi muito mis grave. Milhares de pessoas se concentraram em dois ou três pontos do centro da cidade. O “Fora Temer” foi ouvido até na TV Globo. Assim como o corinho: “o povo não e bobo, abaixo da Rede Globo”. Vi ao vivo na Globonews, durante um protesto em Recife. Mas no Rio a coisa realmente pegou fogo: 10 ônibus e carros incendiados, enfrentamento de pedras contra balas de borracha e granadas de gás lacrimogênio. Me senti em 1968, quando o meu Rio de Janeiro foi palco dos maiores protestos contra a ditadura militar.           

                                   E o governo virou a cara para o outro lado. Fez de conta que nada estava acontecendo, com a grande mídia apenas repercutindo a informação oficial. Parece que foi na Venezuela, só que lá a polícia usa munição letal. Aqui, o Planalto reagiu como se fosse um dia como outro qualquer. Só que não. Se houver povo nas ruas, a equação política muda completamente. E se a repressão matar um manifestante, aí voltamos mesmo ao Édson Luís de 1968, que desencadeou a reação e a resistência ao regime militar. Se a manifestação que vimos hoje se repetir, muita coisa vai ficar diferente, inclusive a indiferença de Temer, que teve o seu quarteirão cercado por milhares de manifestantes.

                                   Fazer reformas estruturais no país sem consulta aos interessados (o populacho em geral), por meio   apenas de conchavos políticos, é uma coisa. Mas se as multidões puserem a cara para fora de casa, o jogo muda. Quando o governo, em nome do grande capital, resolve fazer reformas que interessam ao patronato e não à plebe rude, como é o caso, sempre corre o risco de a oposição ocupar as   ruas. É só mexer no bolso das pessoas que dá tudo errado.  

Publicado em Politica e sociedade | Deixe um comentário

Antônio Palocci presta depoimento ao juiz Sérgio Moro e diz que está disposto a entregar todo mundo. A provável delação do ex-ministro é a pá de cal no sistema político. Vai atingir os grandes bancos e a elite do empresariado. Desastre total.

Palocci 01

Antônio Palocci. Imagem TV Brasil.

                                   Homem forte dos governos Lula e figura proeminente do PT, Antônio Palocci prestou depoimento hoje (20 abril) ao xerife da Lava Jato, o juiz Sérgio Moro, em Curitiba, dando conta de que está disposto a entregar todo o esquema de corrupção e fraude eleitoral. É uma bomba de Hiroshima sobre o sistema político brasileiro, respingando para o mercado financeiro, os grandes bancos e a elite empresarial do país. É pior do que a “Delação do Fim do Mundo”. Uma delação do ex-ministro derruba todas as torres até então consideradas intocadas. Pode ser a sentença de morte para o governo Temer, Lula, Dilma, FHC, o PT e demais partidos. Pouca gente no Patropi sabe mais do que ele.

                                   Palocci pode esclarecer, inclusive, o assassinato do prefeito Celso Daniel, supostamente em um esquema de corrupção de serviços públicos no ABC paulista. É nitroglicerina pura. Todas as forças políticas do país vão se mobilizar para impedir que tal delação de fato ocorra. E nisto incluo o governo, o Congresso, o STF, a PF e tudo o mais. Talvez até o Moro. Seria um evento de extinção da classe política e empresarial do país, tão misturadas na atividade criminal.

                                   Ao acompanhar as centenas de horas de depoimentos gravados em áudio e vídeo dos delatores da Odebrecht, cheguei à conclusão de que o Brasil tinha um rei e um príncipe até recentemente, que não pertencem à família Orleans e Bragança. Trata-se de Emílio e Marcelo Odebrecht, que dominavam o país a um custo de 1 bilhão de reais por ano, corrompendo todo o sistema político, eleitoral e executivo da República. Não são, nem nunca foram, parentes de Dom Pedro I. Mas reinavam soberanos sobre a terra brasilis. Ficamos sabendo que ministros, deputados, senadores e até presidentes se curvavam ao poder econômico da maior empresa privada do país – em troca de presentes, benesses e grana viva contrabandeada até em cuecas e ceroulas. Uma grana cujo destino final eram os paraísos fiscais. Algo como 10 bilhões de reais em apenas 9 anos.

                                   Enquanto isso, a ralé vulgar, o populacho, faz filas nos postos de saúde, sofre desemprego, anda espremida nos coletivos e é assaltada nos pontos de ônibus. E os caras riem. O próprio depoimento dos delatores da Lava Jato, todos criminosos, impressiona pelo cinismo e a cara de pau. Quem paga o pato, como diria o presidente da FIESP, Paulo Skaf, acusado de fraudes e corrupção, somos nós. E o que dizer da iludida classe média, que foi às ruas contra a corrupção petista sem saber que a bandalheira envolvia até os seus heróis? A conclusão óbvia, até agora, é de que poucos escapam da alcunha de ladrão e bandido. E a classe média quer a redução da maioridade penal, o encarceramento em massa e a pena de morte para o bandidinho pé de chinelo. E os canalhas desviam o dinheiro da merenda escolar, superfaturam obras públicas, elegem seus representantes para que a canalhice prospere infinitamente.

                                   O governo Temer, representante do grande capital, articula para aprovar medidas que interessam ao patronato. Não há uma única iniciativa de ouvir a opinião do eleitor, como por meio de referendos e plebiscitos. E – é claro  – pretende se proteger de punições judiciárias, como através da manutenção do foro privilegiado e da anistia ao caixa 2 de campanhas eleitorais. Caixa 2 é crime, especialmente porque o dinheiro sujo serve para encher os bolsos deles. Não necessariamente vai para campanha nenhuma. Fala em reforma da previdência, cuja intenção é garantir um superávit primário, com vistas a assegurar o pagamento dos juros da dívida interna aos bancos privados e aos investidores estrangeiros.  

                                   Reforma política, nem pensar. Reforma tributária, só se for no interesse das grandes companhias. Por que o governo não cobra a dívida do empresariado em relação ao INSS? Bilhões de reais. Por que não cobra a dívida do imposto de renda e do ICMS? Bilhões de reais. Mas o governo está todo mobilizado para jogar o peso da crise econômica nos ombros do trabalhador. Este é o país que temos para viver. A Receita Federal já disse que a sonegação de impostos chega a 200 bilhões de reais por ano. Bem maior do que o déficit público.

                                   E o resto é bobagem!    

                                        

Publicado em Politica e sociedade | 1 Comentário

Enquanto Temer, Lula e FHC se articulam para tentar sobreviver a 2018, políticos acusados na Lava Jato se movem na direção de uma ampla coligação com o petista. Lula seria a “única alternativa política” para enfrentar a devassa. Cresce a inquietação no meio militar e tem muita gente uniformizada pensando em intervir.

Temer, lula e fhc

Uma articulação improvável em curso?

 

                                   Este site errou, posts atrás, quando afirmou que a delação premiada da Odebrecht atingiria 300 políticos, empresários, atravessadores e funcionários de alto estalão. Na verdade, as confissões dos crimes da empreiteira já citam 415 beneficiários da corrupção, tanto em Brasília, quanto em outros 12 estados da Federação. É a debacle total do sistema político brasileiro. Ao todo, a bandalheira envolveria 26 dos 32 partidos políticos existentes. E a Odebrecht já confessou ter pago 10 bilhões de reais em propinas e caixa 2 de campanhas, que é também uma forma indireta de suborno.

                                   Durante a última semana e os feriados santos, ocorreu uma ampla articulação política destinada a frear a Lava Jato. Reúne no mesmo saco o presidente Temer e os ex-presidentes Lula e Fernando Henrique. Ou seja: uma coligação de forças que atende pelos nomes de PMDB, PT, PSDB, DEM, PPS e PP – pelo menos esses. E que conta com aprovação tácita da imensa maioria dos congressistas, quase todos acusados de crimes graves. Lula, campeão de audiência nas pesquisas eleitorais recentes, por sua popularidade e estatura política, seria o centro das atenções. Só ele seria capaz de fazer frente à caça às bruxas promovida pela polícia e pelo judiciário – e ainda por cima vencer as eleições de 2018. Os adversários Ciro Gomes, Marina Silva e o ultradireitista Jair Bolsonaro seriam destroçados nas urnas.  

                                   Tal confabulo pretende a rápida aprovação de leis, travestidas de reforma política, visando a manutenção do foro especial para executivos e parlamentares, que poderia ser estendido a ex-presidentes, além da descriminalização do caixa 2, que esvaziaria a maior parte das acusações na Lava Jato. Só uma amplíssima coalisão política, apelidada de grande pacto nacional, conseguiria uma tal proeza. Como a Justiça é muito lenta, há tempo de sobra para que o plano prospere. E como não há povo nas ruas, a coisa fica mais fácil. A coluna Painel, da Folha de S. Paulo, diz que isto é resultado do “efeito dominó” produzido pela devassa. Levou todo mundo de roldão. O cronista político Elio Gaspari informa que tal entendimento “beira a formação de quadrilha”. O modesto autor que vos fala sempre disse que o crime organizado pretende a tomada do poder. Exagero?

general augusto heleno 01

O general Augusto Heleno.

                                   Em Brasília há fortes rumores de que a delação da Odebrecht também atingirá de frente o judiciário, envolvendo juízes, desembargadores e ministros das altas cortes. E cresce a inquietação no meio militar. O general Villas-Bôas, comandante-em-chefe do Exército, declarou recentemente: tentar deter a Lava Jato pode produzir uma intervenção das Forças Armadas, conforme entrevista ao jornal Valor Econômico. Agora o general Augusto Heleno, ex-comandante militar da Amazônia e ex-comandante das forças de paz da ONU no Haiti, teria publicado na Web: “Vamos fechar o Congresso; não existe mais democracia no país”, conforme a página do general Paulo Chagas no Facebook.

                                   As fontes em uniforme deste modesto autor comentam que a intervenção não seria para inaugurar uma nova ditadura no país. Seria para deter a equipe ilegítima de Michel Temer, inclusive impedindo Rodrigo Maia (Câmara) e Eunício de Oliveira (Senado), e dar posse à ministra Carmem Lúcia, do STF, com a missão de convocar eleições diretas. Os militares acham que o Brasil de hoje é muito diferente e muito mais complexo do que em 1964. Quando o regime militar foi instaurado, o general-presidente Humberto de Alencar Castelo Branco também declarou que convocaria eleições gerais em 1965. Não aconteceu. E o país mergulhou em 21 anos de escuridão.

                                   Lá, naquela época esquecida, segundo os militares, a ameaça era o comunismo em plena Guerra Fria. Agora eles acham que a ameaça é a perda dos princípios éticos e morais, além de que o país está desgovernado e tomado por uma chusma de bandidos. E às vésperas de uma convulsão social. Com ou sem intervenção militar.

                                   Como os leitores do site estão carecas de saber, sou um autor independente. Não tenho filiação partidária, não sou patrocinado por ninguém. Não recebo pixulecos. Apresento um leque de opiniões, algumas divergentes, poucas convergentes. Aqui no site, que trata de temas como violência urbana, crime organizado e terrorismo, há um fórum relacionado à segurança pública e ao reaparelhamento das Forças Armadas, reunindo milhares de representantes do setor. Assim obtenho opiniões e informação de gente uniformizada. Coloco nesse artigo a opinião dos militares porque ela é agora uma peça importante no tabuleiro político do país.

                                   A equipe do site não apoia nenhum tipo de rompimento da ordem institucional. Somos a favor da convocação de eleições diretas e de uma nova constituinte para resolver os dramas do país. O resto é bobagem!                

Publicado em Politica e sociedade | Deixe um comentário